Mostrando postagens com marcador ficção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ficção. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, fevereiro 17, 2016

O dia em que eu vi você

Um ano se passou desde a última vez em que nos falamos. Você gostava de mim. Eu gostava de você, mas nenhum confiava no outro. E assim terminou. Cada um pro seu canto. O tanto que eu torcia para que tudo desse certo soava até de uma maneira meio que surreal.

A realidade é que eu sinto falta da sua amizade. Ninguém me entendia e me fazia rir como você fazia. Eu conheci outros caras. Você conheceu outras garotas, mas a verdade é que tudo não passava de uma farsa. A pesar de tudo, eu me lembrava de cada momento e tentava fazer com que tudo soava como uma opção de repeat, mas sabia que não havia o reset.

Não sei o porquê disso tudo, mas a verdade é que era como se você fizesse parte de todos os meus planos e no final tudo se esvaiu no ar como fumaça. Isso não era amor. Era algo mais forte. A gente não se assumia porque sabíamos que se nos assumisse, perderia todo aquele encanto e surpresa que um fazia pro outro. Acontece que eu queria você, não importava o que ficaria pra trás, eu queria fazer valer a pena.



Num dia desses eu fui na padaria. Estava chovendo e eu deixei a sombrinha na entrada. Quando me virei, te vi na fila. Não sabia se tinha me visto, mas pelo menos eu te garanto que sorri por dentro. Era uma dessas chuvas de verão: fortes, porém rápidas. Eu ia cumprimentá-lo e perguntar como iam as coisas até o momento em que passei por você e notei um anel de prata em seu dedo. O meu "oi, tudo bem" ficou só na minha cabeça. O telefone tocou e era minha mãe.

Hoje eu a vi na padaria. Pensei em dizer que sentia muito por nós. Mas acho que ela não me reconheceu, ou talvez estivesse com pressa demais pra me notar. Talvez ela tenha visto o anel em que pensei em dar pra ela no meu dedo. Uns dias antes do fim de tudo, eu havia comprado uma aliança de prata pra nós, como símbolo do nosso companheirismo, não era nenhum anel de compromisso, mas achava que devia isso a ela.  Não me interessei por mais ninguém e fiquei me lembrando das tardes como aquela, em que ela me fazia assistir Harry Potter pela enésima vez. Ela passou, eu sai do caixa. Tive vontade de abraçá-la. Mas foi então que eu ouvi ela dizer no telefone que também estava com saudade.

Vida que segue.