Mostrando postagens com marcador desapego. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador desapego. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, fevereiro 10, 2016

Não precisamos encontrar a nossa metade

A questão não é achar a metade da laranja. Fala sério. Por vezes acreditei que o problema é comigo, mas pera lá amigo, eu não posso ser inteira? Me arrumar pra ME achar bonita? A gente não precisa se por pra escanteio quando se sente segura. A questão é não ter um calcanhar de Aquiles e ser sempre assim. O mundo dá voltas e não vou dar aquele velho discurso que quem banca a desapegada gosta de fazer. Na verdade, eu não sou NA-DA desapegada, tão pouco alguém é. Por isso estamos sempre em busca do amor.

Algumas vezes é necessário tomar um rumo na vida pra se sentir inteira novamente. Pra quê encontrar a metade da laranja? Ou cara metade? Isso tudo já está dentro de você. Se amar mais, se arrumar mais e ter sempre aquele ponto em você que você se sente bem quando tá arrumada. Se amar sem estar arrumada.

Colorir a vida é importante para que nela você possa usar tons de laranja com verde-bandeira sem ter medo do que as pessoas vão falar. Falando em bandeira... Não há mal nenhum em demonstrar interesse para quem você está afim. O máximo que você vá ganhar é experiência. Experiência por estar em busca do complemento da sua felicidade. E como diz a Dory de Procurando Nemo: "continue a nadar" ou então "siga em frente, em linha reta e não procure o que perder." Porque quem ama a você vai estar sempre ao seu lado até quando não merecer. Quem vem tem minha confiança, quem não vem um abraço.

Porque estar bem consigo mesma é olhar pra trás e ver que você já fez o que podia e que não adiantaria nada mais... Nenhuma tentativa. O que o destino pois na sua mão, pois pra te dar uma lição. Então levanta essa cabeça, veja o que há dentro de você e aprenda rápido o "dever de casa" para que não seja repetido.

Até a próxima! 



sexta-feira, janeiro 29, 2016

Seja lá o que nós éramos

Certa noite num jantar em família minha avó me perguntou o porquê de eu nunca mais ter apresentado ninguém a ela desde meu último namorado. Havia você, mas não sabia o que éramos, talvez nem você nunca soube e por isso nunca chegou a ser nada.

Doeu quando eu pedi pra você ir embora, mas a verdade é que eu segui você. Você também me seguiu, se não o quê explicaria a curtida que você deixou na minha ultima foto? Ou melhor, nas últimas? Eu senti sua falta, mas eu te avisei pra não me deixar ir. Eu ainda sinto falta do que seja lá o que nós éramos ou pelo menos sentia porque hoje, o que eu sinto é só um aperto no peito.

Eu te desejo uma fé enorme. Uma sorte do tamanho do mundo. Te mando uma energia positiva todos os dias pra que você não encontre alguém que te ame como eu amei, porque olha, torce, mas fica assim agarradinho com os dedos cruzados pra ela não fazer o que você fez comigo e pra você que pensa todos os dias em como conversar comigo novamente: todo carnaval tem seu fim. E o seu já se foi há séculos.