Mostrando postagens com marcador crônica do dia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador crônica do dia. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, junho 19, 2017

Notas para nossos momentos de desespero

Eu sei que você espera um sinal, sabe de uma coisa, eu espero por um também todos os dias. Todos os dias eu acordo com fé de que falta bem pouquinho a cada dia que passa para que eu possa viver de verdade. É aquele ditado: mais um dia ou menos um? Zona de conforto, monotonia de entrar pelo ouvido e sair pelo outro que você não consegue fazer o que tem que fazer porque vive no mundo da lua. Balela familiar, se eu posso dizer assim.

Algumas vezes a gente fica esperando um empurrãozinho da vida afim de que a esperança para os próximos dias que seguem sejam boas e não desvatadas, então um conselho que eu ouvi um dia foi: reciprocidade na gratidão. Só agradece e acredita. Se a gente acredita cada vez mais vem coisas boas. Resiliência: caia sete vezes e se levante oito. Saiba que o que você tem passado não é em vão.

Sua ansiedade vai passar. Levanta a cabeça, apesar de não saber, você é linda, é inteligente e arranca olhares ao redor sem reparar com a sua simpatia e simplicidade.

A vida te coloca em situações no presente, afim de que no futuro você aprenda o porque precisou passar por isso.

Receita pra alma: fé, resiliência, reciprocidade e gratidão. Reciprocidade para que a gente não se esqueça: tudo que vai volta.

_Autor desconhecido 

quarta-feira, junho 14, 2017

Eternize seu dia 12 de junho

Leia ouvindo Cravo feat. Ivo Mozart - Diamante! 

Foto autoral
Doze de junho é só uma data capitalista qualquer... Mas a questão é, o que você sente de verdade? Por vezes vejo alguém que tem problema com o dia dos namorados e preferem passar a data tomando um porre num bar mais próximo de casa ou numa balada qualquer postando vários stories na tentativa fail de chamar atenção do crush. Mas, aí vai um segredo pra você: você não está louca.

Às vezes essa data martela demais na cabeça da gente porque talvez você acabou brigando com o grande amor da sua vida e por esse motivo a tortura da data que nunca vai ser de vocês passa sempre na sua cabeça, ou porque colocou expectativas demais em cima de alguém que não merecia nem a migalha dela.

Sinto muito porque você nunca conseguiu conseguir enxergar isso, mas o amor deve ser celebrado sim!!! Mas, quando de verdade. Se por alguma razão você acabou ficando solteira no decorrer da vida, aprenda a ser feliz solteira, fazer coisas de solteira porque gosta de estar assim. Não! Não tô te mandando ir pra uma balada beijar vinte bocas que você mal sabe o nome e sair por aí pagando de desapegada, se você que tá lendo isso faz isso um conselho: pare! Pare porque você está fazendo errado.

Aprenda a se curtir, descobrir seus gostos e a cuidar de você. Aprenda a viajar sozinha, sair sozinha pra lanchar, ir ao cinema sozinha, tomar cerveja sozinha em casa, ler e ver séries sozinha. Aprenda a andar na rua com a sua própria companhia.

Dou esse conselho porque, se ele gostasse de você e merecesse sua preocupação, você saberia. De forma ou de outra, ele iria te chamar no Whatsapp, mesmo que você tenha que puxar papo inicialmente e vai reparar e elogiar sua foto de perfil, o assunto vai fluir sem o pingo de esforço, vocês podem se esbarrar por aí na esquina, ou não... podem só marcar de comer um pastel com um caldo de cana. Ele pode fazer engenharia, por exemplo e você letras e mandar muito no inglês que as diferenças cotidianas não serão desculpa pro acaso. É... O destino vai agir, mas você tem que parar de se culpar ou culpar alguém pelos danos dos relacionamentos antigos e aceitar e aí talvez a magia do dia 12 de junho ou 14 de fevereiro bata a sua porta.

A você que está solteira procurando a sua metade nitidamente por aí: não procure, você já é inteira e quando for pra acontecer sua metade vai aparecer.

Texto escrito ao som de:
- Diamante, Cravo ft. Ivo Mozart (música principal)
- Tenta vir, 1Kilo
- Deixe-me ir, 1Kilo
-  Morena, 1Kilo 

terça-feira, junho 06, 2017

Janela 15, do ônibus das 15 p.m.



Leia ouvindo: Se eu falo com as paredes - Off the king



Era uma linda tarde de domingo há uns três anos atrás...  Uma tarde que eu entrei naquele ônibus e sabia que não haveria mais volta. Eu sabia que estava indo rumo a uma nova vida e que a oportunidade não batia duas vezes na mesma porta. Então o que eu fiz apesar dos pesares foi abraça-la.

Eu ia sentir falta do meu quarto, dos meus livros, da comida de casa e até das brigas com a minha mãe. Foram os 365 dias mais difíceis da minha vida. E que 365 dias!!!

Eu olhei pra trás e dei um abraço bem reconfortante nos meus pais e eles me disseram que ficariam bem  (o que me deu força o suficiente pra ver que eu estava fazendo o certo), iam sentir saudade, mas que um futuro inteiro esperava por mim.

A questão é que eu tinha síndrome do pânico, ansiedade ao extremo e não gostava/conseguia resolver meus problemas sozinha. Então eu percebi que eu teria que deixar essa bagagem em casa, junto com a saudade que já estava apertando, e teria que aprender a usar nessa vida, essa bagagem ao meu favor.

Acreditem em mim, amo minha cidade, tenho amigos incríveis e faço um curso lindo, mas não há um só dia em que eu não pense em voltar. Mas, aqui estou. Há quase quatro anos morando sozinha, faltando dois pra acabar a faculdade e conseguindo apresentar trabalhos na frente de outros 40 e poucos alunos. Não tem sido fácil, mas como disse uma professora minha do 3º período, num momento de crise existencial de quase 50% dos alunos, "ninguém disse que seria fácil", mas o que me faz continuar é que se eu voltar atrás, nesse mesmo ônibus das 15 horas (na minha cidade tem ônibus de hora em hora), algo deu errado. Desistir é muito fácil, mas não seria a vida que eu sonhei desde a infância, nem as que meus pais sonharam pra mim. Porém, o que serve de reconforto é que "e quando houver saudade e quiser voltar..." esse mesmo ônibus das 15 horas, vai estar me esperando com a janela 15 que vai levar direto pro abraço que você precisava.



Resultado de imagem para bus tumblr
Inspiração Tumbrl


Viver sozinha(o) é aprender a superar seus medos a cada dia. A cada dia um novo desafio. E entenda que todos os dias você terá que se enfrentar. Então, vá em frente. 

segunda-feira, abril 10, 2017

A necessidade de um último adeus! É pra dar saudade ... A vida tem dessas mesmo.

LEIA OUVINDO OS PARALAMAS DO SUCESSO - AONDE QUER QUE EU VÁ 


A vida tem dessas às vezes... Já sentiu como se todos os seus sonhos estivessem em uma pessoa e por um acaso, ou ironia do mundo, você precisa dizer adeus com a mais pura consciência ? A distância é mesmo de deixar muitos caquinhos por aí... Cacos que talvez, jamais serão reconstruídos.

Você com certeza já disse um adeus desse. Seja pra um parente, seja pra um amigo ou seja pra um grande amor da sua vida. A vida às vezes da umas reviravoltas e te mostra quem sempre esteve do seu lado e numa dessas você se apaixona secretamente (pelo menos na sua doce e ingênua cabeça) e outras vezes você tem que abrir mão dessa pessoa, porque a vida te atrapalha a ficar com ela, ou como vocês preferirem, posso citar aquele clichê bizarro de quem não consegue o que quer: "não era pra ser."

A verdade é que nunca sabemos quando é pra saber, a certeza que temos é que quem quer vai dar um jeito e é numa dessas que você finalmente acerta. A vida tem dessas mesmo... Te faz criar expectativas como se não houvesse amanhã, mas quando o despertador toca as 06:15... É houve um amanhã e um amanhã em que você aprendeu vivendo que a saudade machuca, porque fora mais um mês sem seu "oi, bom dia" na tela do celular e numa dessas, o encanto se quebra.

É preciso lidar com idas e vindas. A vida tem dessas mesmo... Às vezes você perde alguém que mexe com você e às vezes ganha outra. Numa dessas, você acha morada em um lugar e quando chega a hora de dar o famoso adeus, as palavras nunca saem por inteiro. Talvez, se você nunca sentiu o famoso nó na garganta, precise perder alguém pra sentir isso, ou talvez, o fato de saber que a partir daquele horário o ônibus que partiu levou alguém que não volta mais. 

É preciso saber dizer adeus... Dizer adeus e continuar forte, porque mais uma vez, a vida tem dessas às vezes, mas com o tempo seu coração costuma dizer adeus.

terça-feira, março 14, 2017

Notas sobre a volta que o mundo dá !!!


Foto autoral. 


"Lá estava ela, fitando o teto... É coisa de gente estranha, mas ela costumava fazer isso quando os pensamentos não ajudavam-a dormir... E quando isso acontece, pensamento vai e vem e você se pega pensando em que já passou pela sua vida.


Num dia desses com pouca maturidade, passou por situações as quais pensou em agradecer... Não por ter sofrido por ter perdido alguém, mas por ter aprendido a lição de ser forte e a lição de: "tudo que vai, volta." Eu sei que essa definição soa na sua cabeça um tanto quanto clichê, porque na minha também foi assim mas, voltar nem sempre significa que vai ser correspondido. 


Ser intensa demais tem essa qualidade: não esquecer do que passou.
Isso não é sinônimo de sede de vingança, mas sim de querer que essa pessoa veja que a cada dia que passa, não sabemos se vamos precisar do outro amanhã. 


É o famoso ditado: "quem fala demais dá bom dia à cavalo." Livre arbítrio demais, pode causar arrependimento por ter tido coisas das quais futuramente você vá sentir falta. E eu não estou me referindo apenas em relacionamento. 


_Meu muito obrigada à você que foi embora, porque nessa vida meu amigo, uma coisa nunca falha: "tudo que vai volta". Às vezes nem sempre como desejamos. Mas deixa eu te contar um segredo: faz parte sentir saudade! "





Relatos de um amor que já passou e não volta, que todo mundo tem...

Resultado de imagem para casal tumblr
Inspiração: Tumbrl


Todo mundo têm aquelas lembranças, as quais você se pega sorrindo enquanto lembra, ou quando você lembra do abraço e do beijo na testa e sorri e quer voltar no tempo e morar naquele abraço.

Todo mundo tem, aquele abraço que quando é sentido, se quer ficar pra sempre ali, mas por seus motivos óbvios ou não,  não quer segurar a mão da pessoa e remar junto, até o barco naufragar. 

Todo mundo tem um amor de infância, o qual quando ainda o vê, sente aquele friozinho na barriga, que não sabe se é bom ou ruim... É aquele caso típico, que você se vê daqui uns dez anos, sentindo a mesma sensação, quando vê a pessoa.

Todo mundo tem aquela amiga, que já ficou com o menino que você gostava, ou que o menino que você gostava chegou nela e a amizade acabou esfriando por essa idiotice toda sem perdão ou o orgulho mesmo que não ajudou. 

Todo mundo tem aquele beijo, que se arrependeu porque sofreu demais pra esquecer. 

Todo mundo tem aquela foto, que virou um monte de lixo num canto, porque as recordações da pessoa, foram fortes demais pra ficar olhando no álbum sempre. 

A verdade, é que um grande amor sempre passa na vida de todo mundo, mas a gente acaba não percebendo e quando ele vacila, se esquece dos momentos legais em que tiveram juntos e aí quando bate a saudade, o sentimento cumulado com orgulho não ajuda a voltar atrás. A verdade é que o amor que foi dá espaço pra outro chegar, acontece que quando você dá por si, está em pedaços demais pra dar espaço pra alguém no seu mundo. Ou o seu mundo foi revirado demais diversas vezes. 

Todo mundo tem aquela fase na vida, em que quer brincar de não gostar de ninguém, mas a verdade é que quando se dá conta, um beijo foi repetido diversas vezes e se tornou um abraço seguido de beijo seguido de saudade.

A saudade vem e nunca vem sozinha. Vem o aperto no coração. Pega o celular, disca o número, escuta-se um "oi" rouco do outro lado da linha. Desliga-se o telefone.  E a ligação perdida, se junta no relicário do que se tornou esse antigo amor e as memórias ficam perdidas no ar como o tututuu, daquela chamada perdida. Numa dessas idas e vindas, você percebe que talvez tenha sido o seu raro amor. 

quarta-feira, dezembro 07, 2016

O texto que nunca chegou

Resultado de imagem para garota andando tumblr
Inspiração Tumbrl

"Miss you". Dizia a mensagem de texto enviada às 17:40 quando dei uma pausa nos estudos e tomei um gole do café frio. É, eu sabia que essa mensagem não haveria resposta. Sua última visualização foi no cancelamento de conta em janeiro, mas ainda sim é como se eu sentisse sua falta nas mesas de almoço de sábado com a família toda reunida, ou das brigas por causa de lugar na hora de comer pizza no sábado à noite. 

Sinto falta das suas tortas no natal, ou ainda de você me pedindo pra tirar uma foto no último natal. Há dois anos. Eu sei que sua estrela está brilhando e nos guiando. Mas, eu venho agradecer, por ter sido carinhosa nos meus 21 anos de vida, pelas caronas sábado de manhã, pelo companheirismo e pela preocupação quando perdemos um membro importante da família. 

Acho que só agora a ficha caiu. Caiu da pior maneira, porque antes de vir aqui escrever esse texto, eu talvez ainda esperasse uma resposta algumas horas depois. Doce e serena você me ensinou a perdoar as pessoas, mesmo que eu ainda tenha um pouco de dificuldade nisso. Você me mostrou que talvez passamos a vida toda procurando algo e que não podemos perder um segundo da nossa. Seize the day. Caso contrário passaremos sem ter aproveitado o minuto mais importante ao lado de quem amamos. 

Peço que te guie todas as noites e que você esteja bem. Lembro-me de uma vez a gente cantando Skank indo pra casa, ainda no início da música dizia: "Olinda ergueu-se em ouro, quando ela trouxe a esse lugar, vida! E a paz reinou... Suave então... Ela me deixou, suave. Era linda a vida quando ela partiu deixou... Saudade." Um pequeno vestígio da nossa última viagem pro nosso cantinho do céu juntinhas. 

"Miss you." Dizia o texto. E então eu exclui e bloqueei a tela na esperança de que você esteja bem, só bem e brilhando.

  

sexta-feira, março 18, 2016

O novo amar é

O amor não é uma escolha. Não como um daqueles jogos onde você tem opção a ou b pra escolher e "se dar bem" no final. Na verdade, o amor chega bem mais próximo de um jogo de azar do que um jogo de sorte. A sorte chega quando a gente dá aquele abraço apertado naquele alguém especial e se sente aquela sensação gostosa de saudade.

Eu nunca gostei muito de amores fáceis. Na verdade a minha teoria é que tudo que vem fácil vai fácil. E relacionamentos sem crises também nunca foi um relacionamento de verdade. Não que eu saiba muito sobre isso, mas também sei que é bobagem ler as sete regras pra um relacionamento perfeito num site de autoajuda. É como querer desapegar de uma coisa que não dá, porque o fato é bagagem demais pra curar com uma bebida ou uma lista de desapego que há por aí. Cada um sabe a dor que passa e quem valoriza e cada situação com cada qual.


                                 



Não tem como você ter a imagem de um primeiro beijo ideal, de um primeiro namorado ideal e idealizar todo o resto. É muito diferente na real. Me desculpem pelo modo coloquial de falar, mas é o que dá pra dizer numa dessas situações. É como você sentir falta daquela ideia que era trocada diariamente, desde a hora em que acordavam até o primeiro a ir dormir. Como sentir falta de uma rotina que tinham antes de algo atrapalhar. Não necessariamente ele resolver parar de te procurar, mas numa situação onde talvez, os quilômetros são o x da questão. Mas como eu disse antes, amores fáceis vão fáceis demais.

É como um imã. Onde quando tem o ponto ideal de encontro vocês dão aquele abraço apertado e o tempo de repente para por um instante que fica quase como que o infinito. Ao contrário do que muitos procuram, não tem nenhum tipo de receita pra que algo de bom aconteça. Na verdade, algumas situações, você tem que ser você mesmo e resolve. O melhor conselho que já me deram é pra não seguir loucamente essas listas que existem por aí, ou livros de autoajuda, porque na real você acaba pirando se for levar tudo a sério, e como eu também já mencionei antes, cada relacionamento tem seu cada qual.

O amor não é como um jogo de sorte, ou uma questão de múltipla escolha, nem tampouco superado com o tempo. Isso é a maior besteira que você vai ouvir muitas das vezes em que amorosa ou não a situação as pessoas vão dizer. É como aquela outra situação que as pessoas dizem que o que vier é lucro e o que der errado é experiência. Besteira! Como eu ia dizendo, o tempo não cura nada, nem tampouco te ajuda a superar. Quando você para de pensar, por mais que você negue, o que fica é uma memória gostosa dos tempos em que passaram juntos, e a mente bloqueia o que não fez bem . Não é o amor que te causa a dor, mas sim a situação em que o amor te colocou. Arriscar é necessário para que as mudanças aconteçam. Mudanças vem para que as coisas bem sejam trazidas com o tempo. O meu conselho resume em: ame e se aceite do jeito que for a pé ou de ré o resto se ajeita. Torto ou não, uma hora ajeita. 

domingo, março 06, 2016

O dia em que eu percebi que o problema era sim: eu




Teve aquele em dia em que eu acordei depois de um sonho esquisito com você. Eu senti vontade de ligar, mas é como dizem, se ele não te procura é porque não sente sua falta. É aquele velho discurso de sempre de quem dá pra si porque não é forte o bastante pra pegar o telefone e discar o número. Ou de quem teve o coração partido por milhões de pedaços e precisou da ajuda de amigos para que fosse catando os caquinhos por aí. Enfim, eu juro que pensei bem antes da minha surpresa. Você me ligou. Disse que estava só passando por aqui e eu disse: que bom que ligou. E contei a respeito do tal sonho.

É como dizem,se é pra acontecer até os ventos contrários sopram a favor. Com a gente foi assim. Não éramos o casal mais normal do mundo, tão pouco podíamos ser chamados de casal, mas foram alguns aniversários que eu passei com você ao meu lado então, eu não ligava muito pra pedidos formais e preferi ignorá-los.

Teve aquele dia em que eu vi uma estrela cadente e lembrei de você fazendo um pedido pra que você estivesse bem. Mas, aí apareceu um convite. Haveria a maior festa de todos os tempos na cidade. Na nossa última discussão, você queria ir comigo na festa como um casal, e eu não conseguia entender o porquê disso depois de tanto tempo não havia o mínimo sentido. Rolou vários migué, até que chegou o dia e enfim eu percebi que o problema era, sim comigo. Não, eu não estava pronta. Você entrava em uma situação cada vez mais bola de neve e eu não era obrigada a aguentar aquela situação. Sorriso no rosto, cabeça em pé e maquiagem impecável entrei pelo salão e encontrei meus amigos.

Teve o dia em que semanas depois eu estava me sentindo livre, libertada de uma situação a qual me tirava o sono há tempos. Se eu sentia falta? Sentia com certeza, talvez todos os dias da minha vida tirava um minuto ou dois pra me lamentar porque não demos certos. Mas a vida segue pra nos dizer que o percurso do rio pode ter curvas que nos distanciam da linha de chegada, não adianta tentar pular os obstáculos, a gente tem que encontrar o melhor jeito de vencê-los. 



Assinado, 
Eu!