Horário de verão

Antigamente eu costumava ligar, brasileiros esperam o ano todo pelas estações enquanto a mim, esperava o ano todo pelo fim do horário de verão para que eu pudesse ter umas horas de sono a mais. A mais porque eu perdi noites pós noite me perguntando o que aconteceu com a gente. Até que um dia eu peguei finalmente o telefone e ...
_Oi.

Você atendeu. O número estava bloqueado e eu simplesmente não consegui falar nada mais. Desliguei o telefone correndo e voltei pro meu quarto. Andando de um lado pro outro me perguntei o que aconteceu, quando foi que eu perdi a coragem de perguntar o que você tava fazendo e quando foi que precisei ligar no confidencial pra você.

Dias se passaram e a vida segue rumo ao norte ou rumo ao sul, mas algumas vezes você precisa virar pro leste ou oeste e avaliar as opções. "Sinto sua falta." Digitei na janela do bate-papo e apaguei de modo tão instantaneamente que quase não percebi que apareceu o balãozinho do digitando. "Me ligaram no confidencial um dia desses, eu sinto sua falta e queria acreditar que era você.'' Respondi dizendo que era eu, que eu sentia muito por tudo e quase não pude respirar quando ele disse que sentia saudade. O interfone tocou e era o porteiro anunciando uma entrega. Era um cartão de aniversário anônimo, eu conheci de longe sua letra. Peguei o telefone e liguei agradecendo e que teria-o sempre comigo. Assim foi feito.

Desculpe pela monotonia de mais uma história de amor, mas a verdade é que nós nunca mais nos vimos ou nos falamos. Ás vezes pra seguir em frente você deve aceitar que fez o que podia. E que não importa quantas estações do ano chegam você vê que aproveitou do seu melhor jeito. Idas e vindas seriam necessárias e que apesar da perda vem com ela a saudade do que se passou. É olhar pra trás e ver que você foi fiel consigo mesma e que daqui pra frente, deixar rolar é o essencial. Maktub. Estava escrito, ou melhor, tinha que acontecer.  

Comentários

Postagens mais visitadas