sexta-feira, janeiro 29, 2016

Seja lá o que nós éramos

Certa noite num jantar em família minha avó me perguntou o porquê de eu nunca mais ter apresentado ninguém a ela desde meu último namorado. Havia você, mas não sabia o que éramos, talvez nem você nunca soube e por isso nunca chegou a ser nada.

Doeu quando eu pedi pra você ir embora, mas a verdade é que eu segui você. Você também me seguiu, se não o quê explicaria a curtida que você deixou na minha ultima foto? Ou melhor, nas últimas? Eu senti sua falta, mas eu te avisei pra não me deixar ir. Eu ainda sinto falta do que seja lá o que nós éramos ou pelo menos sentia porque hoje, o que eu sinto é só um aperto no peito.

Eu te desejo uma fé enorme. Uma sorte do tamanho do mundo. Te mando uma energia positiva todos os dias pra que você não encontre alguém que te ame como eu amei, porque olha, torce, mas fica assim agarradinho com os dedos cruzados pra ela não fazer o que você fez comigo e pra você que pensa todos os dias em como conversar comigo novamente: todo carnaval tem seu fim. E o seu já se foi há séculos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário